mon petit aquarium
"There was a point to this story, but it has temporarily escaped the chronicler's mind." Douglas Adams
04
Jul 07

ora aqui está um tema interessante, amiguinhos e amiguinhas. digno de uma reflexão capaz. entregue à pessoa errada portanto...

draft 143
há em todo o ser humano possuidor de um aparelho receptor de televisão (a outra opção no dicionário era sistema electrónico de transmissão de imagens instantâneas de objectos fixos ou em movimento, acompanhadas de som, pela análise e conversão da luz e do som em ondas eléctricas seguidas de reconversão, captadas num aparelho que tem um tubo de raios catódicos responsáveis pela construção de uma imagem a partir de 625 (ou 405) linhas, cada uma delas com 400 pequenos pontos de luz, pelo que achei que ficava extenso de mais) um instinto básico: o de não desligar a televisão.
o que quer que esteja a dar, sejam as melhores opções um qualquer talkshow manhoso em repetição e o episódio mais chato de toda a carreira do prof josé hermano saraiva (e isso é dizer qualquer coisa), é simplesmente impossível resistir ao impulso de permanecer em frente à tv ou no mínimo dos mínimos com ela ligada.
e eu questiono-me. de onde vem este impulso? de onde vem esta compulsão que nos impede de simplesmente desligar o (mal)dito aparelho e ir dormir? que nos obriga a chegar a casa às tantas e ainda ir fazer um zapping final, não vamos estar a perder qualquer coisa de verdadeiramente fantástico como as televendas e os seus fascinantes produtos?
acho que a explicação para este tipo de problema tem de ser genética. uma mutação que talvez os primeiros homo sapiens televisiens - nome algo contraditório porque um ser que é tão dependente da televisão não pode ser muito sábio, mas adiante - tenham sofrido. como todos sabem só se considera homo sapiens televisiens depois do desenvolvimento dos aparelhos, não sendo ainda claro quando é que se deram as transformações. pensa-se que o aparecimento de vários canais e de emissões ininterruptas estará certamente ligado a estas modificações genéticas. no princípio seria uma questão de curiosidade que depressa se transformou em sede de conhecimento e poder que daí poderia eventualmente advir (quem sabe qual o efeito que um panador de alimentos poderia ter tido na tentativa de escalada ao poder de garcia pereira?) acabando irreversivelmente gravado nos nossos ADN's.
talvez no momento em que um
homo sapiens pensava que toda a informação que dali viesse poderia ser benéfica lhe tenha caído um raio na cabeça (possivelmente como castigo divino).
talvez um grupo de homo sapiens se sentisse pressionado a pela sociedade para ser mais e saber mais e ele talvez tenha achado que uma boa  e rápida solução era a televisão. e depois levou com um raio na cabeça. [por acaso gostava de saber como é que ocorrem de facto as mutações genéticas...]
ou uma bomba atómica.
portanto, quando quero mesmo mesmo ir trabalhar mas simplesmente não consigo largar o comando, quando já estou atrasada mas ainda não acabou o que estava a ver, quando perco minutos ou até horas de sono porque estive a rever qualquer coisa que nunca acrecentou nada ao que já sabia, a culpa simplesmente não é minha. vão culpar o adn. culpem os vossos pais! a culpa é sempre deles... cqd.


especial agradecimento ao Tomás que deu o mote e o título ao post.
publicado por mim às 17:57
música: throw away your television - red hot chili peppers
eu n vejo tv...nao me indentificoo naaaaaaada do pai dissest... x)
gui a 18 de Julho de 2007 às 18:44
correçao:
com o q pai dissest!*
gui a 18 de Julho de 2007 às 18:44
"i blame my parents"
Margarida a 13 de Julho de 2007 às 12:09
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
15
16
18
19
21
22
25
27
28
29
30
31
pesquisar neste blog
 
RSS
música